BENVINDO AO SÍTIO ÁGUA DA RAINHA !

Seja sempre benvindo ao Sitio! Em São Francisco de Paula vá até o Lago São Bernardo e siga pela estrada que passa por trás do Hotel Cavalinho Branco. Essa estrada pavimentada termina quando encontra a Estrada da Serra Velha, que é uma estrada rural de terra. Tome à esquerda a Estrada da Serra Velha e siga em frente até a próxima bifurcação, depois do sítio RINCÃO DAS CABRITAS numa curva em descida. Siga à esquerda novamente e vai encontrar a entrada do Sítio após uma curva à direita. Clique na aba LOCALIZAÇÃO abaixo e veja na foto aérea as marcações da estrada. Para conhecer o Sítio pela Internet clique aqui e acesse nosso site.

Ragù alla bolognese

400 g de carne de porco magra
400 g de carne vacum (músculo)
200 g concentrado de tomate (ou o dobro de suco de tomate feito em casa)
150 ml vinho tinto
80 g cebola
50 g toucinho
50g manteiga
40 g cenoura
30 g aipo
salsa
folhas de sálvia
folhas de manjericão
10 g funghi porcini seco
sal, pimenta do reino

Colocar os funghi secos em água morna.

Limpar as ervas e preparar uma mistura batidinha com o toucinho triturado e um triturado finíssimo com cebola, cenoura e aipo. Refogar com a manteiga.

Juntar as carnes em cubinhos e dourar em fogo baixo. Deglassar com um poco de vinho e juntar o concentrado de tomate e os funghi picados.

Depois de alguns minutos, banhar com o vinho e cozinhar por uma hora. Deve ficar suculento e tenro, se necessário, juntar caldo.

Ao final, corrigir sal e pimenta.

Fonte: ICIF – ITALIAN CULINARY INSTITUTE FOR FOREIGNERS, PROF SERGIO ZANETTI

Entre os parênteses, as minhas observações

.

Tipos de massa: Penne

Massa curta, furada, pontas cortadas em viés; indicada com molhos cremosos ou a base de tomate ou bolonhesa ou linguiça, com alecrim, oregano e salvia; com molho frio de tomate, alho e manjericão pode ser uma entrada fria acompanhando salada verde. É a base do clássico Penne à la Arrabiata (molho de tomates, bacon condimentado com pimenta vermelha). Se aprecia sabores do mar experimente com anchovas, cebolas e tomatinhos tipo cereja que é uma receita típica mediterrânea.

A lenda do Gritador

Na região existe uma lenda sobre um homem que, por maltratar a própria mãe a ponto de provocar-lhe a morte, foi por ela amaldiçoado, condenado a eternamente vagar pelos campos e matos sem jamais encontrar o caminho de casa, gritando por socorro.

Conheça um pouco desta lenda e saiba sobre o curta metragem com este tema clicando aqui http://www.ogritador.com.br/

Veja o filme no Youtube
aqui http://www.youtube.com/watch?v=bJjKaj-RsOc a primeira parte e
aqui http://www.youtube.com/watch?v=U9OanaoYLTo a segunda!

Churrasco de charque e farofa de pinhão

Esta receita está no Blog Na Cozinha da Bete. Conheça mais:

Ingredientes
1kg de charque gordo
500g de pinhão cozido e descascado
1 fio de azeite de oliva
1 cebola picada
3 dentes de alho
tempero verde
azeitona picadinha
2 ovos cozidos
farinha de mandioca

Modo de fazer
1. Afervente o charque por 2 vezes, trocando a água.
2. Espete o charque e leve à churrasqueira por 30min.
3. A temperatura do fogo deve ser alta, sem chamas.
4. Enquanto isso, prepare a farofa com os pinhões já cozidos, descascados e picados.
5. Aqueça um fio de azeite de oliva e doure a cebola e o alho picadinhos.
6. Junte o pinhão, as azeitonas picadas e farinha de mandioca, mexendo até que fique uma farofa úmida.
7. Adicione o tempero verde e o ovo cozido picado e mexa rapidamente.
8. Sirva o charque em fatias grossas, acompanhadas da farofa.

Borboletinhas com brócolis, azeitona e queijo serrano

Publicado por José Hugo Celidôneo, Jornal O Globo

Com adaptação ao queijo serrano

Ingredientes:
400 gramas de borboletinha ou outra massa de sua preferência;
4 colheres (de sopa) de azeite extravirgem;
3 dentes de alho espremidos (opcional);
1 colher (de sobremesa) de casca de limão ralada;
1 colher (de sobremesa) de suco de limão;
sal, o quanto baste;
1 pitada de pimenta vermelha fresca picadinha sem as sementes;
1 e 1/2 brócolis americano;
20 azeitonas verdes sem caroço, cada uma cortada em 4 partes;
2 colheres (de sopa) de salsinha picada;
150 gramas de queijo serrano e ralado na parte grossa do ralador

Lave bem e corte o brócolis em fatias, no sentido do comprimento, de aproximadamente 1 centímetro de espessura.

Coloque 3 a 4 litros de água para ferver. Quando ferver, junte 1 colher (de sopa) de sal e a massa, mexendo para separar. Cozinhe conforme as instruções do fabricante. Escorra e volte a massa para a panela.

Enquanto a massa estiver cozinhando, misture numa panela ou numa frigideira antiaderente: 2 colheres de azeite, alho, raspas de limão, sal, pimenta vermelha. Leve a fogo de médio para alto, mexendo sempre, cerca de 2 minutos. Aumente o fogo, junte o brócolis cortado e 100 ml de água.

Deixe cozinhando até a água evaporar e o brócolis estiver macio (cerca de 8 minutos). Acrescente as azeitonas e a salsinha. Junte a mistura de brócolis, as 2 colheres remanescentes de azeite e o suco de limão à massa. Misture bem, distribua entre os pratos e esparrame o queijo-de-minas sobre cada um.

Nota: Esta é uma receita rápida e abrasileirada: toda a preparação poderá ser feita enquanto a massa cozinha e o queijo serrano dá um toque da nossa região.

Rendimento: Para quatro pessoas como prato único ou seis como entrada.

Bucatini

Massa longa, um pouco menor que o spaghetti, porém furada com paredes finas; combina com molhos densos realçando seus aromas como o Molho Amatriciana (tomate, bacon e pimenta vermelha). Igualmente saborosa com molho de tomate, de vegetais e queijos derretidos.

Molho Básico de Tomates

Receita publicada por Hugo Celidôneo no jornal O Globo

5kg de tomates bem maduros,
3 Cebolas graúdas;
5 Cebolinhas verdes;
5 ramos de salsa;
2 folhas de louro;
3 dentes de alho graúdos;
3 colheres (de sopa) de azeite;
1 colher (de cha) de sal;
1 colher (de cafe) de açúcar (opcional)

Lave muito bem os tomates. Pique cada um em quatro pedaços, no sentido do comprimento, conservando as peles e as sementes. Descasque as cebolas e pique grosseiramente. Pique o alho.
Leve ao fogo uma panela de tamanho suficiente. Coloque o azeite e a cebola.
Refogue um pouco, sem pegar cor. Junte o alho, os tomates cortados, sal, salsa, cebolinha verde e louro.
Deixe cozinhando em fogo medio, com a panela destampada. Nao se preocupe em adicionar agua, porque os tomates soltam muito liquido.
Depois de ferver um pouco, vai começar a se formar uma espuma na superficie. Va removendo com uma escumadeira fina ou com uma concha.
Depois de um cozimento de cerca de 45 minutos, quando os tomates ja estiverem completamente desfeitos, retire do fogo, retire os verdes e passe o restante por uma peneira fina, apertando bem.
Voce devera obter um molho de linda cor vermelha (a maior parte da cor esta na casca, que voce não retirou), só que ainda faltando as incrementações que fará de acordo com o uso. Se quiser "estocar" uma parte, estee é o momento ideal para separar.

Incrementaçõoes:
molho de tomate simples, para servir com spaghetti e parmesão ou usar num prato a parmegiana:
acabe de temperar, usando caldo de galinha em vez do sal e gotas de molho de pimenta.

Para massa al pomodoro e basilico: 0 mesmo molho acima, com pedacinhos de tomate sem pele e sem sementes e com folhas de manjericao cortadas e colocadas no molho na hora de servir.

Para massa à caprese: o molho pomodoro e basilico, acrescido (na hora de misturar com a -massa) de pedacinhos de mozarela de búfala cortada em pedaços medios, de uns 3 cm de lado.

Spaghetti della Nona Bottino: quando o Rodolfo Bottino ainda era só conhecido como bom ator, deu aulas de culinaria no Gourmet. Ensinou o molho de tomate das macarronadas dominicais de sua avó italiana: tudo como o nosso molho classico, mas com o acrescimo de um frango cortado, incluindo as aparas (pes, pescoço etc.). Posso garantir que o resultado é excelente.
Rendimento: Para quatro a seis pessoas.

A BÓIA CAMPEIRA

"bóia" é referência à comida, a refeição, "a hora da bóia".....
Campeira relaciona aos costumes do trabalho campeiro, no campo, na lida com o gado nos extensos Campos de Cima da Serra, ou nas tropeadas com as mulas descendo e subindo a Serra em direção a Torres e Sto Antônio da Patrulha sempre carregadas de mercadorias: charque, erva-mate, farinha, rapadura, cachaça....
Desta origem são inúmeros pratos simples e saborosos e sempre de "grande sustança" necessária a manter a força das pessoas para trabalho junto a uma natureza ao mesmo tempo generosa e hostil.
Feijão preto cozido com charque, linguiças caseiras assadas no formo, carnes diversas feita em panela como o tatu e o matambre recheados, a típica passoca de pinhão com charque desfiado e mais preparos de carnes variadas e doces de origem local compõe o cardápio.
A reunião em uma mesma refeição festiva de toda a culinária regional gerou um evento que se consagrou costume da cidade: A Bóia Campeira, em que a pretexto de apreciar a culinária das fazendas se realiza um grande baile, manifestação do culto às tradições serranas.
Assim o gaúcho serrano retorna a suas origens através da preservação dos costumes alimentares.